Ponta da Pinta

Cão da Serra da Estrela

Homenagem

Csar da Casa das Azenhas

Campeão de Portugal, Espanha, Gibraltar, Internacional

O Mambo. O nosso primeiro Serra da Estrela. A base da nossa criação. Senhor absoluto dos nossos afectos, que ocupou mansamente com a sua meiguice, dedicação, inteligência, instinto protector. Sobre ele poderíamos contar dezenas de histórias que evidenciam o comportamento típico, equilibrado, confiável do Cão da Serra da Estrela; os episódios das viagens pelo país e para fora, onde conquistou muitos amigos (que no Natal lhe enviavam postais ensolarados) e quatro títulos de beleza. Quando o Mambo passava, todas as atenções se voltavam para ele - fosse em exposições, fosse no meio da rua, onde fazia parar o trânsito e as pessoas atravessavam a rua para vir fazer-lhe festas. Partiu demasiado cedo mas legou-nos, além das memórias e do muito que nos ensinou, filhos, netos e outros descendentes maravilhosos (vários deles 

também campeões), que foram e são o orgulho da Ponta da Pinta.

 

 

Baden Baden da Ponta da Pinta

Campeão Mundial 2004, de Portugal, Espanha, Brasil, Internacional, Jovem Esperança 2003, Jovem Promessa 2003

O nosso primogénito. Instalou-se no mais profundo dos nossos corações, num lugar ao lado do avô Csar da Casa das Azenhas. Dele herdou o grande porte, a beleza, a imponência, o carisma, a majestade e também a meiguice, a dedicação, o instinto protector, a paciência, a inteligência. Seguiu-lhe as pisadas também no mundo das exposições, indo ainda mais longe, conquistando sete títulos de beleza. O Baden foi, e continua a ser, o ex-libris da Ponta da Pinta, representando-nos em várias participações em programas de televisão, seduzindo pessoas aonde quer que fosse, com a sua beleza e grande simpatia. Deixou-nos em 2013, com uma saudade imensa, mas continuando vivo nas memórias e na sua neta Clara Schumann  da Ponta da Pinta, que dará continuidade à sua descendência.

 

Fidelio da Ponta da Pinta

O nosso Fidelio viveu para ser feliz e procurava sempre tirar o maior partido de tudo: os carinhos, a liberdade, os petiscos. Embora fosse muito dominante, era também um verdadeiro cavalheiro, muito paciente com os cachorros, os gatos e as cadelas, deixando-os comer a comida dele próprio. Ladrava muito alto, pedindo atenção e festinhas. Tinha um carácter maravilhoso, muito activo e enérgico, obediente, afectuoso e um guardião soberbo. Em 2007 padreou a sua única ninhada, da nossa querida Pina Bausch da Ponta da Pinta, gerando filhos excelentes como o Maio Maduro Maio e o Canto Moço da Ponta da Pinta  (pai da nossa querida Thera da Ponta da Pinta, Campeã Nacional de Beleza Júnior).

 

Maio Maduro Maio da Ponta da Pinta

Filho do Fidelio da Ponta da Pinta e da Pina Bausch da Ponta da Pinta, o nosso lindo Maio era um cão dominante, muito meigo connosco mas desconfiado face a estranhos, bom guarda, muito dissuasor sem ser agressivo. Padreou quatro ninhadas nossas (três das quais acidentais), gerando prole de elevada qualidade, incluindo a nossa Utopia da Ponta da Pinta.

 

OUR SERVICES

I'm a paragraph. Click here to add your own text and edit me. It’s easy. Just click “Edit Text” or double click me to add your own content and make changes to the font. Feel free to drag and drop me anywhere you like on your page. I’m a great place for you to tell a story and let your users know a little more about you.

Anna Pavlova da Ponta da Pinta

Linda, de uma invulgar cor fulvo raiado claro, muito meiga e dedicada, ágil e veloz como poucos, a Pavlova teve uma vida longa e feliz mas não deixou descendência. 

Deixou-nos em Outubro de 2018.

 

Babilónia

Grande, poderosa, saudável, a Baby tinha o carácter maravilhoso próprio dum Serra da Estrela equilibrado e socializado: era uma cadela feliz, alegre, muito meiga mas excelente guardiã. Deu-nos duas ninhadas, a primeira das quais da variedade de pêlo curto, que inclui a nossa Grande Campeã de Portugal Canela da Ponta da Pinta e os seus irmãos Gengibre e Noz-moscada. Deixou-nos em Janeiro de 2018.

 

Anna Pavlova da Ponta da Pinta

Linda, de uma invulgar cor fulvo raiado claro, muito meiga e dedicada, ágil e veloz como poucos, a Pavlova teve uma vida longa e feliz mas não deixou descendência. 

Deixou-nos em Outubro de 2018.

 

Bathy

A valente Bathy chegou à Ponta da Pinta em 2001, com 4 anos, demonstrando desde logo as suas grandes qualidades de guarda de toda a confiança. Cadela dominante mas meiga, muito inteligente, ágil, funcional, gerou, na Ponta da Pinta, três ninhadas e vários descendentes  campeões. Deixou-nos em 2009. ​​

Champagne da Ponta da Pinta

Extremamente ágil desde muito cedo (com 5 semanas de idade já subia degraus), morfologicamente muito correcta, com carácter equilibrado e forte instinto maternal, a Champie reunia todos os quesitos para ser uma excelente reprodutora e gerar descendência de alta qualidade. Planeámos que nos desse uma ou duas ninhadas mas factores imponderáveis fizeram que isso nunca acontecesse. A nossa querida Champie, que nos deixou em Agosto de 2015, foi uma companheira maravilhosa, muito dócil e cordial anfitriã para os nossos visitantes. É ela a estrelinha que brilha na capa da partitura da peça para piano solo "A Barking Sonatina", do compositor Sérgio Azevedo, dedicada aos cães da Ponta da Pinta.

 

Deca

A nossa primeira matriarca, mãe do Baden Baden da Ponta da Pinta e de outros quatro campeões por nós criados. Tinha 6 anos quando chegou à Ponta da Pinta, vinda do Canil da Serra de Sintra. Nunca tinha vivido em liberdade e ganhou novo ânimo. Na hora de nos dar a nossa primeira ninhada, veio chamar-nos à cozinha, onde tomávamos o pequeno-almoço, e conduziu-nos até ao quarto, onde já tinha dado à luz a primeira cria. Estava habituada a parir sozinha, mas sentiu-se reconfortada pela companhia, sempre presente, nesse seu primeiro parto numa nova casa. Adoptou-nos como novos donos e amuava se passávamos um fim-de-semana fora de casa. Estará sempre connosco, nas memórias e através da sua bisneta Clara Schumann da Ponta da Pinta.

 

Índole

Criada com um rebanho, filha de dois exemplares de pêlo curto de linhagens de trabalho, era uma jovem adulta quando veio para a Ponta da Pinta, ganhando rapidamente um lugar bem no fundo dos nossos corações. Muito meiga, amiga dedicada e protectora, muito desconfiada com estranhos, era uma força da natureza, corajosa, temerária, não recuando perante nenhuma ameaça. A sua brava herança vive ainda na sua filha Babilónia, nos seus netos Clara Schumann, GengibreCanelaNoz-moscada e na sua bisneta Sortelha.

 

Jhava

Filha do nosso multi-campeão Csar da Casa das Azenhas, foi escolhida quando tinha um mês de idade, pela sua cor linda e invulgar, e veio para a Ponta da Pinta um mês depois, sendo a nossa primeira cadela. Teimosa, refilona, sempre pronta para roubar comida e para fugir para um passeio na vizinhança, foi a nossa menina muito querida, amiga e companheira, de grande docilidade e excelentes aptidões como guardiã. Teve duas ninhadas, deixando-nos três filhas adoráveis, a Champagne, a Anna Pavlova e a Pina Bausch, o neto Maio Maduro Maio e as bisnetas Thera e Utopia.

 

Kalinka da Ponta da Pinta

Filha do nosso multicampeão Baden Baden da Ponta da Pinta, irmã do Campeão Mundial 2009 Kremlin da Ponta da Pinta. Tão meiga e dedicada aos donos como desconfiada com estranhos, foi uma excelsa guardiã e amiga incomparável. Teve a sua única ninhada em 2013, padreada pelo Maio Maduro Maio da Ponta da Pinta.

 

Medeia da Ponta da Pinta

Cadela grande, poderosa, temerária, muito terna, a nossa querida Medeia deixou-nos em Março de 2017. Filha do nosso multi-campeão Baden Baden da Ponta da Pinta e da Índole (uma cadela de linhagens de trabalho no Solar, descendente de cães da variedade de pêlo curto, deu-nos duas ninhadas, a primeira das quais incluiu a nossa Clara Schumann da Ponta da Pinta.

 

Pina Bausch

da Ponta da Pinta

No dia em que nasceu, percebemos que não a deixaríamos nunca ir embora. Mas partiu em 2013, acidentalmente, aos 8 anos, plena de vitalidade. A Pina foi uma das mais queridas e preciosas das nossas cadelas. Grande, poderosa, de uma cor linda e rara, muito meiga e dedicada, com o olhar mais doce do mundo. Deu-nos, com o nosso Fidelio da Ponta da Pinta, uma das ninhadas mais importantes e estratégicas para nós, da qual conservámos  o Maio Maduro Maio, que nos deixou a sua filha Utopia. Em 2013, usámos como reprodutor outro dos filhos da Pina, o  encantador Canto Moço da Ponta da Pinta, de cuja ninhada resultou a nossa querida Thera.

 

 

       Newsletter

 

       2015 Ponta da Pinta